Leishmaniose Visceral Canina explicada pelo Prof. Killick-Kendrick

prof Robert Killick Kendrick

O Prof. Robert Killick-Kendrick é um dos mais respeitados estudiosos da Leishmaniose no mundo.


A Leishmaniose

É uma doença grave, que pode causar a morte ao cão. No Brasil é provocada por um protozoário microscópico chamado Leishmania chagasi.

Para proteger o seu cão

Procure manter o cão dentro de casa desde o entardecer até o amanhecer, especialmente durante a primavera e verão, meses de maior incidência do mosquito transmissor. Se achar que o seu cão pode estar infectado, tente verificar a presença de sinais clínicos típicos e leve-o, o quanto antes, a um Médico Veterinário para que seja examinado minuciosamente. Para a correta confirmação, exames laboratoriais serão necessários.

De qualquer forma, o melhor é não correr riscos desnecessários. Se colocar no seu cão a coleira antiparasitária Scalibor® estará protegendo-o contra, pelo menos, 95% das picadas dos flebótomos.

A Leishmaniose Visceral Canina ocorre

Sobretudo na América Latina, incluindo Brasil, e nos países mediterrâneos, como por exemplo, Portugal, Espanha, França e Itália.

No princípio a doença manifesta-se

Com perda de pelo, sobretudo em volta dos olhos, boca e nariz. Ao evoluir, as lesões cutâneas - perda de pelo, acompanhada de dermatite ulcerativa - estendem-se por toda a superfície corporal. As lesões cutâneas são acompanhadas de perda de peso corporal e crescimento das unhas de forma mais rápida que o normal.

Tratamento

Ele ainda não é indicado e é muito controverso, pois com o tratamento se consegue a cura clínica e não a parasitológica, portanto, o cão permanece portador e, dessa forma, pode continuar a infectar os mosquitos que se alimentam do seu sangue, aumentando assim, o risco dos humanos contraírem a doença.